Morfologia

 

Classes morfológicas

 

  • Classes variáveis
    • Substantivo → palavras variáveis que geralmente vem acompanhada por determinantes;
    • Verbo
  • Classes variáveis adjetivas (acessórias ao substantivo) ou determinantes (se referem ao substantivo);
    • Adjetivo → qualifica o substantivo;
    • Pronome → situa o substantivo ao discurso;
    • Artigo → define ou indefine o substantivo;
    • Numeral → dá quantidade, sequência ou ordem ao substantivo;
  • Classes invariáveis
    • Advérbio → acrescenta circunstância ao verbo ou intensifica o adjetivo ou outro advérbio;
    • Interjeição
  • Classes invariáveis conectivas
    • Preposição
    • Conjunção
  • Formas nominais
    • Substantivo → dá nome aos seres em geral;
    • Adjetivo → dá nome as qualificações e características em geral;
    • Advérbio → dá nome as circunstâncias em geral;
    • Verbo
      • Infinitivo → exerce, em regra, função de substantivo;
      • Particípio → exerce, em regra, função de adjetivo;
      • Gerúndio → exerce, em regra, função de advérbio;

 

Substantivo


 

  • Substantivo → palavra de qualquer classe morfológica;
    • palavra referenciada por determinantes;
      • é um substantivo ou uma palavra substantivada;
    • palavra não referenciada por determinantes:
      • o substantivo ou a palavra substantivada será representado pelo núcleo de função substantiva sintática (o sujeito, o objeto direto, o objeto indireto, predicativo, complemento nominal, aposto ou agente da passiva);
        • Vencer tais limitações tem sido um desafio constante lançado à espécie humana (palavra substantivada);
        • Recordar é viver (palavras substantivadas);
  • Substantivos sobrecomuns → apresentam um só gênero;
    • o algoz, o anjo, o apóstolo, o carrasco, o cônjuge, a criança, a criatura, o defunto, o ente, o gênio, o ídolo, o indivíduo, o membro, o monstro, o neném, a pessoa, o ser, a testemunha, o verdugo, a vítima;
  • Substantivos compostos no plural
    • Flexionam-se as duas partes, em caso de:
      • substantivo, adjetivo ou numeral → couve-flor e couves-flores;
    • Flexiona-se a segunda parte, em caso de:
      • verbo + substantivo → guarda-roupa e guarda-roupas;
      • palavra invariável + palavra variável → alto-falante e alto-falantes;
      • palavras repetidas → reco-reco e reco-recos
    • Flexiona-se a primeira parte, em caso de:
      • substantivo + preposição explícita + substantivo = água-de-colônia e águas-de-colônia;
      • substantivo + preposição implícita + substantivo = cavalo-vapor e cavalos-vapor;
      • substantivo + substantivo que funciona como determinante do primeiro = bomba-relógio e bombas-relógio, notícia-bomba e notícias-bomba;
    • Não se flexionam, em caso de:
      • verbo + advérbio = o bota-fora e os bota-fora;
      • verbo + substantivo no plural = o saca-rolhas e os saca-rolhas;
    • Casos Especiais
      • o louva-a-deus e os louva-a-deus,  o bem-te-vi e os bem-te-vis  o bem-me-quer e os bem-me-queres;
  • Substantivos diminutivos plural
    • Bar → Bares → Bare+zinho+s
    • Animal → Animais → Animai+zinho+s
    • Papel → Papéis → Papei+zinho+s

 

Advérbio


 

  • Advérbio → necessariamente refere-se a verbo, adjetivo ou outro advérbio (não aceita flexões);
    • Exemplos de advérbio:
      • Nada diferente (adjetivo) do que ocorre em relação à…
    • Não confundir com pronome (aceita flexões)!
      • …, sem nenhum sentimento de culpa;
      • … em relação aos demais contribuintes;
    • Não confundir com conjunção!
      • A ética tributária, ao menos conforme admite o senso comum, vincula-se à prática de regras justas;

 

Adjetivo


 

  • Adjetivo → define ou indefine o substantivo;
    • Pense num bairro de periferia, com ruas ainda de barro;
    • … onde foi inaugurada a segunda Biblioteca;
    • Uma sala com internet convida os jovens a outras leituras;
  • Adjetivo simples
    • água serrana, casas urbanas, homem inescrupuloso, calor infernal;
  • Locução adjetiva → preposição e substantivo que fazem função de adjetiva;
    • água da serra, casas da cidade, homem sem escrúpulos, calor dos infernos;
  • Oração desenvolvida adjetiva → são sempre introduzidas por pronome relativo;
    • água que vem da serra, aluno que estuda, homem que trai;
    • Meu pai resistiu a todas as tentações que o cargo propiciava;
    • O teor dos processos que entulhavam a maleta era-me completamente alheio;
    • Nem mesmo o despeito exagerado que há em todos eles deve estimular em nós qualquer reação negativa;
    • Aos que não submete a força imperiosa das experiências passadas entende-se a possibilidade de abrir novos tempos;
  • Adjetivo de base participial
    • Comprei camisas feitas de algodão (reduzida);
    • Comprei camisas que foram feitas de algodão (desenvolvida);
  • Graus do adjetivo → intensifica a qualidade;
    • Grau superlativo
      • absoluto analítico→ água excessivamente gelada;
      • absoluto sintético → dificílimo;
      • relativo de inferioridade → o menos esforçado da família (comparativo);
      • relativo de superioridade → o mais inteligente dos alunos da sala (comparativo);
    • Grau comparativo (processo correlato → bipartição da conjunção em distintos membros)
      • de igualdade → tão … quanto …
        • é comum ocultar-se o verbo da oração comparativa por ser o mesmo da oração principal;
        • duas orações
          • Maria é tão inteligente
          • quanto Ana (é inteligente);
        • três orações
          • A reflexão jurídica sobre o assunto, contudo, não se tem mostrado tão farta
          • quanto aquela (se tem mostrado farta)
          • encontrada na economia;
      • de superioridade → mais … (do) que …
      • de inferioridade → menos … (do) que …
        • a preposição é obrigatória no segundo membros para verbos transitivos indiretos:
          • Eu gosto de Maria como de uma figura;
          • Eu acredito em João como em Deus;
        • a preposição “de” que introduz o segundo membro é facultativa nos demais casos, e considerada formal nos dois casos;
          • A língua falada é mais rápida (do) que a língua escrita;
      • sintética → não pode ser utilizada para comparação de características de um mesmo objeto;
        • mais bom → melhor;
        • mais grande → maior;
        • menos bom → pior;
        • mais pequeno → menor;
        • A casa é mais grande do que arejada;
        • O tio é mais bom do que inteligente;
        • O tio é melhor do que o primo em matemática (pessoas diferentes);

 

Pronome


 

  • Pronomes
    • Pronomes adjetivos → situa o substantivo as pessoas do discurso;
    • Pronomes substantivos → estão no lugar dos substantivos que representam as pessoas do discurso;
  • Pronome Pessoal
    • Reto → função de sujeito;
      • Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles
    • Oblíquo → função de complemento verbal ou nominal;
      • Átono → não aceita preposição explícita; todo pronome átono possui um correspondente tônico;
        • me, te, o, a, lhe, se, nos, vos, os, as, lhes, se;
        • Eu quero te dizer um segredo;
      • Tônico → só podem ser usados antecedidos por uma preposição;
        • mim, comigo, ti, contigo, se consigo, ele, ela, conosco, nós, convosco, vós, eles, elas;
        • Ela não viu a mim;
        • Eu quero dizer a ti um segrego;
  • Pronomes demonstrativos
    • da 3º pessoa → aquele/aquilo, aquela, aqueles, aquelas;
    • da 3ª pessoa reduzidos → o, a, os, as;
  • Pronomes relativos → coesão referencial anafórica – retomada de termo;
    • Relativos genéricos
      • que (invariável) → usado para pessoas ou coisas, no singular ou plural, no masculino ou feminino;
      • o qual, a qual, os quais, as quais (variáveis) → usados em caso de ambiguidade do “que”;
    • Relativos específicos (invariáveis)
      • quem (relativo personativo) → noção de pessoa; todo ser animado que apresenta características humanas (afetividade e metonímia);
      • onde (relativo locativo) → noção de lugar; equivale a “em que lugar”, “em algum lugar” ou “o lugar em que”,  lugar que se possa por algo físico ou estar; possui preposição “em” interna;
      • aonde (relativo locativo preposicionado) → equivale a “para onde”, preposição oriunda de verbos de movimento (ir, chegar, dirigir-se, levar para, subir para);
    • Relativos específicos (variáveis)
      • cujo, cuja, cujos, cujas (relativo possessivo) → noção de posse; possui preposição “de” interna; e, não aceita artigo (cujo o, cuja a, cujo os, cuja as);
      • quanto, quanta, quantos, quantas;
    • Exemplo:
      • Encontrei uma equipe de pesquisadores que analisou (ou analisaram) os vírus da gripe (quando o pronome relativo possuir mais de um substantivo antecedente, ele poderá retomar qualquer um deles, desde que a lógica da oração adjetiva o permita);
      • As ideias do professor que se debateram durante a reunião contribuíram conosco (a flexão do verbo retira a desambiguidade);
      • A mãe de Maria que viajou para a Europa vai participar de um curso (“que” está ambíguo);
      • Encontrei o pai de Joana que viajam para a Europa (pronome está ambíguo, deve-se usar o qual/a qual para referencia o pai ou Joana);
      • É ao Congresso Nacional a quem cabe legislar privativamente … (metonímia);
      • Este é um sinal a quem ninguém pode ser insensível (errado, não faz referência a pessoa);
      • Comprei uma casa cujas portas são verdes;
      • Maria que o (cujo) pai era juiz de direito (o pronome que não faz relação de posse);
      • Você que a (cuja) alma está abatida (o pronome que não faz relação de posse);
      • a cujo conjunto os Gregos deram o nome de techné (o conjunto dos quais)
      • Comprei uma casa. As portas da casa são verdes.
      • Comprei uma casa cujas portas são verdes.

Verbo


 

  • Formas modais
    • Indicativo → em regra, expressa a realidade, porém o futuro pode indicar uma hipótese;
    • Subjuntivo →  em regra, expressa uma hipótese, porém presente pode indicar a realidade;
    • Imperativo → expressa ordem, conselho, pedido;
  • Formas nominais
    • Gerúndio → desinência –ndo;
    • Particípio → desinência –ado, –ido;
    • Infinitivo
      • Impessoal (não flexionado) → desinência –r;
      • Pessoal (flexionado) → desinência –r, –res, –r, –rmos, –rdes, –rem; igual ao futuro do subjuntivo, distinguindo-se por;
        • não aceitar a anteposição de “se/quando”, ou;
        • aceitar anteposição de preposições e locuções prepositivas;
        • Verbos regularconjugações idênticas do futuro do subjuntivo;
        • Verbos irregularesconjugações distintas do futuro do subjuntivo;
          • fazer → infinitivo pessoal;
          • fizer → futuro do subjuntivo;
          • em caso de proporem … → infinitivo pessoal;
          • se eles propuserem … → futuro do subjuntivo;
  • Flexões de Modo
    • Indicativo → enuncia um fato ou um estado verdadeiros ou supostos verdadeiros;
      • Presente → Eu–o (falo, ando, caminho);
      • Pretérito Perfeito → Tu–ste, Vós–stes (falaste, andaste, caminhaste)
      • Pretérito Imperfeito
        • 1º conjugação (–ar) → Eu–va (caminhava);
        • 2º e 3º conjugação (–er) → Eu–ia (bebia);
      • Pretérito Mais que perfeito → Tu–ra (comera, bebera, caminhara);
      • Futuro do presente → Eu–rei (comerei, beberei, falarei);
      • Futuro de pretérito → Eu–ria (comeria, beberia, falaria);
    • Subjuntivo → enuncia um fato ou estado incerto, com possibilidade, dúvida, futuridade, concessão;
      • Presente
        • 1º conjugação → que eu–e (que eu ame);
        • 2º e 3º conjugação → que eu–a (que eu reflita);
      • Pretérito imperfeito → se eu–sse (se eu falasse)
      • Futuro
        • quando/se eu–r (quando eu amar, se eu for)
        • quando/se tu–res (quando tu amares, se tu fores)
        • quando/se ele–r (quando ele amar, se ele for)
        • quando/se nós–rmos (quando nós amarmos, se nós formos)
        • quando/se vós–rdes (quando vós amardes, se vós fordes)
        • quando/se eles–rem (quando eles amarem, se eles forem)
    • Imperativo → enuncia uma ordem, um preceito, um conselho, um pedido, um convite;

 

Emprego dos tempos e modos verbais

 

  • Modo Indicativo
  • Presente (importante);
    • indicar um fato que se realiza no momento em que se fala;
    • descrever fato ou estado permanente;
      • O sol aquece a terra;
      • As leis do universo são imutáveis;
    • indicar ação habitual ou que se pratica constantemente;
      • Maria fuma demais;
      • João joga bola todos os domingos;
    • dar realismo a fatos passados (presente histórico);
      • Cabral descobre o Brasil em 1500;
      • Os bandeirantes abrem o sertão brasileiro e conquistam a terra;
    • indicar futuro próximo;
      • Eu compro na sexta-feira;
      • Terminei meus negócios e sigo amanhã para Brasília;
    • substituir o imperativo, quando se deseja denotar mais um pedido do que uma ordem;
      • Você me faz isso amanhã (faça-me isso amanhã).
  • Pretérito imperfeito (importante);
    • indica ação que se iniciou e se prolongou dentro do passado;
    • descrever fatos frequentes ou repetidos no passado;
      • Quando era criança, ia sempre à casa de vovó, onde brincava com Maria.
    • designar fatos indicando continuidade no passado;
      • As diversas tribos que habitavam o continente americano eram de cultura diferente; algumas caçavam e pescavam, ao passo que outras já tinham conhecimento de agricultura;
    • descrever pessoas, fatos ou coisas no passado;
      • Ela parecia inteligente.
      • O rio fazia uma pequena curva antes de cair em catarata;
    • indicar época ou tempo no passado;
      • Era época da seca quando José deixou o Nordeste;
      • Eram seis horas da tarde quando Ana telefonou;
    • indicar entre duas ou mais ações simultâneas, qual estava ocorrendo quando sobreveio a outra;
      • Pedro entrava quando seu saí (o segundo verbo é geralmente usado no pretérito perfeito);
      • Conversávamos quando a criança caiu;
    • expressar frequência, repetição, causa e consequência;
      • Eu saía quando ele entrava (ambos os verbos no pretérito imperfeito);
    • descrever ação planejada e não realizada
      • Eu ia passear, mas começou a chover e desisti.
      • Pretendíamos falar com ele, mas não tivemos tempo;
    • narrar fábulas, lendas ou contos, situando-os no passado (usa-se o verbo ser)
      • Era uma vez um príncipe…
    • indicar um só fato preciso no passado, quando a época ou a data em que ocorreu a ação vem claramente mencionada;
      • Em 1940, Pauline Kael publicava sua obra mais famosa;
      • Duas horas depois de receber o telegrama, Geraldo partia do aeroporto de Congonhas.
      • Passado o tempo exigido por lei, João se naturalizava.
  • Pretérito perfeito simples
    • indica um fato iniciado e terminado no passado, seja passado remoto ou próximo. A ação, geralmente não habitual, foi concluída antes do ato de falar;
      • Fui ao mercado hoje de manhã.
      • Estive com ele em 1980.
  • Pretérito perfeito composto (ter/haver no presente + particípio invariável)
    • indica a repetição ou a continuidade de um fato iniciado no passado e que ainda se realiza no presente, vem acompanhado de adjuntos adverbiais como desde, ultimamente, esses dias, etc.
      • Tenho feito tudo por ele desde que quebrou o braço.
      • Não temos tido sorte ultimamente.
  • Pretérito mais-que-perfeito simples
    • indica duas ações situadas no passado, sendo a primeira anterior a segunda (ou fato concluído antes de outro).
      • Quando cheguei (2º ação), a reunião já começará (1º ação).
      • Eu resolvera (1º ação) passar o dia com os trabalhadores da estiva e via-os (2º ação) vir chegando a balançar o corpo, com a comida debaixo do braço, muito modestos.
    • em situações formais na língua escrita
      • Viera especialmente para o concerto;
    • para substituir o pretérito imperfeito do subjuntivo
      • Comportou-se como se fora (fosse) senhora das terras.
    • em certas frases exclamativas
      • Quem me dera ser rico!
  • Pretérito mais-que-perfeito composto (ter/haver no pretérito imperfeito + particípio invariável)
    • indica duas ações situadas no passado, sendo a primeira anterior a segunda (ou fato concluído antes de outro).
      • Quando cheguei (2º ação), a reunião já havia começado (1º ação).
      • Tinha vindo (viera) especialmente para o concerto.
  • Futuro do presente simples
    • indica um fato futuro em relação do momento em que se fala;
      • Irei à praia neste fim de semana.
    • indicar fatos de realização provável, pois estão mediante certa condição
      • Se ele vier, falarei com ele.
    • indicar incerteza, dúvida ou suposição
      • Será possível uma coisas dessas?
      • Estarei eu aqui pela providência divida?
    • Formação do futuro do presente (infinitivo + haver no presente)
      • Eu comprar + hei → comprarei ∴ Eu hei de comprar → Eu hei de comprá-lo → Comprá-lo-ei;
      • Tu comprar + hás → comprarás ∴ Tu hás de comprar → Tu hás de comprá-lo → Comprá-lo-ás;
      • Ele comprar + há → comprará ∴ Ele há de comprar → Ele há de comprá-lo → Comprá-lo-á;
    • Observação: substituível por locuções verbais → verbo auxiliar + verbo principal no infinitivo/particípio/gerúndio;
  • Futuro do presente composto (futuro do presente simples + particípio invariável)
    • indica ação futura consumada antes de outra também futura;
      • teremos terminado o trabalho quando eles chegarem.
    • indica possibilidade de uma ação já ter se consumado;
      • terão saído?
  • Futuro do pretérito simples do indicativo (importante);
    • indicar uma ação condicionada e relacionada ao futuro do subjuntivo;
      • Se aqui tivesse suco, eu beberia;
    • indica um fato futuro em relação a um fato passado;
      • Ele prometeu a Maria que chegaria antes das seis;
    • quando a oração subordinada revela um fato não realizado ou que talvez não se realize;
      • Iríamos se ele permitisse;
    • para exprimir hipótese, incerteza ou dúvida sobre fatos passados;
      • Quem estaria lá?
      • Ele teria uns vinte anos quando se casou.
      • O assassino poderia ser condenada a três anos de desterro na África.
    • em orações exclamativas ou interrogativas que denotam surpresa ou indignação;
      • Nunca agiríamos dessa maneira!
      • Seria possível uma calúnia dessas?
    • em tom polido, denotando desejo presente;
      • Gostariam de ir conosco?
      • Poderia emprestar-me esse livre?
  • Futuro do pretérito composto (futuro do pretérito ter/haver flexionado + particípio invariável)
    • indica que um fato teria acontecido no passado mediante certa condição;
      • Se Roberto estudasse, teria tido boa nota;

 

  • Modo Subjuntivo
  • Presente
    • indica presente ou futuro, dependendo do conteúdo semântico do verbo;
      • É pena que elas estejam doentes (presente);
      • Espero que eles venham (futuro);
  • Pretérito imperfeito
    • indica uma ação simultânea ou futura em relação ao tempo do verbo da oração principal;
      • Duvidei que ele terminasse o trabalho (com pretérito perfeito do indicativo).
      • Eu queria que ela fosse logo (com pretérito imperfeito do indicativo).
      • (também possível com futuro do pretérito do indicativo);
  • Futuro
    • indica a eventualidade no futuro, sendo que o verbo da oração principal pode estar no:
      • Posso levar o que quiser (com presente do indicativo);
      • Poderei levar o que quiser (com futuro do presente do indicativo);

 

Correlações/articulações entre tempos e modos verbais

 

  • Correlação entre tempos e modos verbais em período subordinado, da oração principal e subordinada.
  • Tempos verbais correlacionados (↔) entre verbo da oração principal e o verbo da oração subordinada.
    • Presente do indicativo ↔ Presente do indicativo;
    • Presente do indicativo ↔ Presente do subjuntivo;
      • É fundamental que o governo faça(forma verbal condicionada pela estrutura).
      • É muito difícil que venha a ocorrer …
      • Sugere-se, nessa pesquisa, que o fato de nos aprisionarmos em nossa sala de TV seja o responsável pela nossa predisposição a que cometamos atos violentos.
    • Pretérito perfeito do indicativo ↔ Pretérito mais-que-perfeito do indicativo;
      • Mal aportou, o navio fora submetido a uma inspeção da alfândega (construção errada, pois a ação do mais-que-perfeito está posterior);
      • Mal aportara, o navio foi submetido a uma inspeção da alfândega;
    • Pretérito perfeito do indicativo ↔ Pretérito imperfeito do indicativo;
    • Pretérito imperfeito do indicativo ↔ Pretérito imperfeito do indicativo;
    • Pretérito imperfeito do indicativo ↔ Pretérito imperfeito do subjuntivo;
    • Futuro do presente do indicativo ↔ Futuro do subjuntivo;
      • Quando eu passar no concurso, eu viajarei mais;
    • Futuro do pretérito do indicativo ↔ Pretérito imperfeito do subjuntivo;
      • Se eu passasse no concurso, eu viajaria mais;

 

Paradigmas da conjugação de verbos

 

  • Verbos derivados seguem a conjugação de ser primitivo;
    • ter → conter, reter, deter, ater, entreter;
    • por → compor, repor, transpor, interpor, supor;
    • vir → convir, advir, provir;
    • ver → rever, prever, antever;
    • falsos derivados → requerer, prover, abater, meter;
  • Verbos terminados nos hiatos –air, –oer, –uir → sair, cair, abstrair, roer, moer, doer, soer, possuir, constituir, restituir;
    • a 3ª pessoa do singular do presente do indicativo possui desinência “i” (jamais “e”);
    • ele sai, ele cai, ele abstrai, ele rói, ele mói, ele dói, ele sói, ele possui, ele construi (constrói), ele restitui;
  • Verbos terminados no hiato –ear → frear, pentear, veranear, passear, homenagear, arrear, saborear, refrear;
    • intercalam um “i” intervocálico (por motivos fonéticos) em sua desinência nas formas rizotônicas (eu, tu, ele, eles);
    • Presente do indicativo – Presente do subjuntivo
      • Eu freio – Que eu freie
      • Tu freias – Que tu freies
      • Ele freia – Que ele freie
      • Nós freamos – Que nós freemos
      • Vós freais – Que vós freeis
      • Eles freiam – Que eles freiem
  • Verbos terminados no hiato –iar → variar, estagiar, abreviar, adiar, conciliar, copiar, desviar, guiar;
    • conjugação comum dos verbos da 3ª conjugação, à exceção, intercalam um “e” eufônico nas formas rizotônicas (eu, tu, ele, eles):
      • mediar, ansiar, remediar, incendiar e odiar (M-A-R-I-O);
    • Presente do indicativo – Presente do subjuntivo
      • Eu anseio – Que eu medeie
      • Tu anseias – Que tu medeies
      • Ele anseia – Que ele medeie
      • Nós ansiamos – Que nós mediemos
      • Vós ansiais – Que vós medieis
      • Eles anseiam – Que eles medeiem
  • Verbos terminados no hiato –oar e –uar → abençoar, voar, leiloar, continuar, suar, atenuar;
    • apresentam a letra “e” em todas as formas do presente do subjuntivo.
    • Presente do subjuntivo
      • Que eu abençoe
      • Que tu abençoes
      • Que ele abençoe
      • Que nós abençoemos
      • Que vós abençoeis
      • Que eles abençoem
  • Verbos vir e ver
    • Futuro do subjuntivo (Vir – Ver)
      • Se eu vier             – Se eu vir
      • Se tu vieres          – Se tu vires
      • Se ele vier            – Se ele vir
      • Se nós viermos    – Se nós virmos
      • Se vós vierdes      – Se vós virdes
      • Se eles vierem     – Se eles virem
  • Verbos defectivos (ocorrem no presente do indicativo → presente do subjuntivo → imperativo).
    • Verbos que não possuem a 1º pessoa do indicativo → abolir, colorir, delinquir, demolir, exaurir, extorquir, soer (acontecer com frequência), urgir (ser urgente), tinir (soar).
    • Verbos que, no presente do indicativo, só possuem as pessoas nós e vósreaver, precaver, adequar, aguerrir, empedernir (petrificar), remir (resgatar), fornir (abastecer), falir, embair (iludir), adir (adicionar), renhir (disputar).
      • Presente do Indicativo → nós reavemos, vós reaveis;
      • Pretérito Perfeito do Indicativo → eu reouve, tu reouveste, ele reouve, nós reouvemos, vós reouvestes, eles reouveram;
      • Futuro do Subjuntivo → quando eu reouver, quando tu reouveres, quando ele reouver, quando nós reouvermos, quando vós reouverdes, quando eles reouverem;

 

 



Reinaldo Gil Lima de Carvalho

Anúncios